Entra ano, sai ano, e as mesmas dúvidas surgem: como declarar o aluguel no imposto de renda? Existem várias regras e critérios, mas calma! Se você é locatário ou locador, nós separamos algumas dicas valiosas para uma declaração isenta de erros e o mais distante possível da “malha fina”. Vamos lá?

Só para começarmos com o pé direito, tanto para quem recebe quanto para quem paga aluguel, há a necessidade de declarar no Importo de Renda. Isso ocorre pelo fato de uma fonte de renda ser gerada e a omissão disso, pode até gerar multas.

Vale frisar que pagamento de aluguel é uma despesa e recebimento de aluguel é um rendimento. Dessa forma, devem ser declarados para o “leão.”

Imposto de Renda para quem paga aluguel

Deve se declarar o valor total pago no ano de 2018. O valor deve ser apenas do aluguel. Taxas de condomínio, IPTU, benfeitorias, entre outros acordos não devem constar nessa parte da declaração.

A ficha indicada a ser preenchida é “Pagamentos Efetuados” com o código 70 (aluguel de imóveis).  Tenha em mãos o contrato de locação, pois é necessário incluir o nome completo e CPF do locador (dono do imóvel). Esses dados auxiliam a Receita Federal a cruzar informações e evitar omissões.

Caso você more com mais pessoas, somente quem assinou o contrato de locação deve declarar o pagamento do aluguel no Imposto de Renda. Se mais moradores assinaram o contrato, o valor deve ser dividido igualmente entre eles.

Uma dica importante, é que sempre que houver mudança entre os moradores, é aconselhável fazer adições no contrato de locação. Isso evita erros na declaração do imposto de renda. Assim, cada morador deve declarar individualmente a parte proporcional ao tempo de estadia.

Isso evita possível inconsistências e a temida “malha fina.” Imagine a situação de uma república de estudantes, onde apenas uma pessoa declara o imposto de renda de uma residência alugada de 05 quartos. Haverá uma grande chance de inconsistência entre a receita dessa pessoa e os seus gastos.

Imposto de Renda para quem recebe aluguel

Já os donos de imóveis (locadores) que receberam mais de R$1.903,98 por mês no ano de 2018, devem ter recolhido o imposto mensal obrigatório, através do Carnê-Leão. Após o preenchimento, é só importar os dados para o programa gerador de declaração, na mesma ficha mencionada acima, selecionando o ícone “importar dados do Carnê-leão”.

Caso você seja o responsável por pagar o IPTU ou taxa de condomínio do imóvel alugado, você deve deduzir esses valores do imposto a ser pago. E é bem simples: basta deduzir essas quantias do valor do aluguel, fazendo a declaração no carnê-leão somente dessa diferença do valor.

Já em casos de imobiliárias  intermediando a locação, as taxas de corretagem também devem ser descontadas do valor do aluguel. Esse valor deve ser sinalizado na ficha “pagamentos efetuados” com o código 71 “administrador de imóveis”. Tenha em mãos o CNPJ da empresa que gerencia a locação.

Ufa! Parece bastante detalhado o processo de declarar um aluguel no imposto de renda, mas com calma, atenção e seguindo as nossas dicas, tudo fica mais fácil. A Ibagy tem orgulho de ser uma das imobiliárias mais lembradas de Santa Catarina. Que tal conferir nossas ofertas de imóveis aqui?