Você está se programando para financiar um imóvel? Sabia que existe um meio de aumentar a sua margem e conseguir o valor que tanto precisa? Sim, estamos falando da composição de renda para financiamento, uma prática muito comum e que é utilizada justamente para tal finalidade.

Continue a leitura e entenda o que é a composição de renda e como ela pode ajudar você. Vamos falar sobre suas regras e alguns itens que merecem certo cuidado. Confira:

O que é a composição de renda para financiamento?

A composição de renda pode ser definida como a associação entre dois ou mais compradores para adquirir um bem de maior valor. Seu funcionamento é bem simples: na hora de definir o valor máximo da parcela  (que não pode ultrapassar a margem de 30% da renda mensal), a instituição financeira soma os rendimentos de todos os participantes.

Por exemplo, se você possui uma renda de R$ 3.000,00, pode comprometer no máximo R$ 900,00 por mês. Agora, juntando o rendimento de seu cônjuge, sendo este também de R$ 3.000,00, a margem salta para R$ 1.800,00, permitindo o financiamento de um imóvel de maior valor.

Quem pode compor renda?

Tradicionalmente, a composição de renda para financiamento era permitida aos cônjuges, mas este cenário mudou há um bom tempo.

As regras variam conforme a instituição concessora do crédito. A CAIXA, por exemplo, permite a participação de qualquer pessoa. Já no Banco do Brasil há um limite de até três pessoas, que devem ter parentesco, seja ele sanguíneo ou por afinidade.

Como é feita a análise de crédito?

A análise de crédito é feita individualmente, ou seja, nenhum dos proponentes pode ter pendências cadastrais. Inclusive, cada participante pode utilizar os recursos de suas contas vinculadas no FGTS para compor a entrada, liquidar parcelas ou amortizar o saldo devedor, conforme as regras próprias de utilização do fundo.

A idade dos participantes influencia na composição?

A idade de cada proponente é um fator que impacta diretamente na viabilidade da composição de renda e deve ser avaliada rigorosamente antes que sejam definidos os participantes. Ocorre que, para definir o prazo máximo do financiamento, será levada em consideração a idade do participante mais idoso, já que existe uma idade máxima para que alguém tenha um financiamento imobiliário ativo no país.

Uma vez que, quanto menor o número de parcelas, maior o valor de cada prestação, a presença de um participante de idade mais avançada pode anular os benefícios da composição de renda, até mesmo inviabilizando a liberação do crédito no valor desejado.

Quais cuidados tomar na composição de renda?

Existem alguns aspectos que devem ser ponderados na composição de renda para financiamento e merecem cuidado especial. Vale lembrar, antes de tudo, que cada participante se torna proprietário do imóvel e, logicamente, é preciso que haja harmonia de interesses e regras bem definidas para evitar futuros dissabores.

É digno de nota também o fato de que caso um dos participantes venha a se tornar inadimplente, o imóvel pode ser objeto de penhora. Igualmente importante é lembrar que cada proponente terá o percentual de sua renda que foi utilizado na composição comprometido para a compra de um novo imóvel por meio de financiamento.

Aliás, um item que merece atenção redobrada é o comprometimento da renda, especialmente quando apenas uma pessoa se torna responsável pelo pagamento das prestações, o que é muito comum. Se esse for o seu caso, tenha absoluta certeza de sua capacidade financeira para assumir as parcelas, já que um erro de cálculo pode levar à inadimplência, culminando com a perda do imóvel.

Prós e contras apresentados, cabe a você avaliar se a composição de renda para financiamento é a opção adequada para o seu caso. Tomando todas as devidas precauções, é possível contar com um recurso a mais para adquirir o imóvel dos seus sonhos.

Então, gostou do artigo? Conseguimos ajudá-lo? Você pode conferir em primeira mão outros artigos e dicas interessantes curtindo nossa página no Facebook.