Alugar uma casa ou apartamento é uma importante decisão, capaz de garantir a independência e autonomia de quem aluga. No entanto, é normal que, com o passar do tempo, o residente sinta-se incomodado com alguns aspectos do local. A reforma de imóvel alugado, nesse caso, é uma opção a ser considerada.

Contudo, reformar a propriedade alugada gera dúvidas sobre o que pode ou não ser alterado. Além disso, o locatário provavelmente não disporá de grande quantia para investir no imóvel de outra pessoa.

Pensando nisso, este artigo esclarecerá o que pode ou não ser reformado, além de dar algumas dicas para realizar essa tarefa. Vamos lá?

1. Reforma de imóvel alugado: o que pode

Primeiramente, é importante que o locatário faça uma visita ao imóvel antes de assinar o contrato. Essa consulta serve, justamente, para verificar a estrutura do local.

Feito esse esclarecimento, o locatário deve se lembrar do que diz o contrato de aluguel. Sim, nesse documento deve existir uma cláusula falando exclusivamente sobre reformas. Em geral, elas são divididas entre:

  • Reformas estruturais: essenciais para a habitação. Exemplos: reformas hidráulicas, elétricas ou de impermeabilização. Nesse caso, a responsabilidade é do locador.
  • Reformas de melhorias: que atenderão às necessidades específicas do morador, por exemplo: troca de piso, móveis, portas e janelas etc. O proprietário pode ou não as autorizar. Normalmente, essas alterações são pagas pelo locatário.

2. Pisos e paredes

Para a reforma de imóvel alugado, trocar azulejos ou pintar paredes custa caro e dá muito trabalho. Dificilmente o locatário vai querer passar por essa experiência. Contudo, existem alternativas para aqueles que estão insatisfeitos.

No caso das paredes, uma opção simples, barata e eficiente é o uso de tecidos. Nesse caso, o locatário tira a medida da parede e escolhe um tecido com cor e textura de seu agrado.

A fixação do tecido na parede é feita de forma simples, normalmente com cola branca. Por isso, o uso de tecidos não danifica a pintura original da parede e pode ser feita sem grandes preocupações.

Para os azulejos, existem adesivos desenvolvidos justamente para mudar a aparência dessas peças. Além de serem de fácil instalação e higienização — ideais para banheiros e cozinhas —, o investimento é menor do que quando comparado ao de trocar as peças por novas, o que inclui a mão de obra de um profissional.

3. Luminárias e peças de decoração

Em imóveis alugados, é comum que o proprietário não faça grandes investimentos em lustres, luminárias e tomadas. Contudo, essas são peças de fácil instalação, por isso, o locatário pode trocá-las e, ao deixar o apartamento, pode recolocar as originais.

Um belo lustre pode fazer toda diferença em uma sala de estar, por exemplo. Para não ter problemas ao sair do imóvel, tome cuidado no armazenamento das peças antigas, mantendo-as em um local seco, sem incidência direta da luz solar e sem riscos de sofrer quedas, por exemplo.

4. Disposição dos móveis

Pode não parecer, mas trocar os móveis de lugar, às vezes, é suficiente para renovar a atmosfera de um lugar! Comece, por exemplo, mudando a disposição do sofá e da TV na sua sala de estar. Tente calcular as mudanças de modo que o espaço possa ser otimizado.

Essa mesma técnica pode ser usada no quarto, invertendo o local da cama e da escrivaninha, por exemplo. Se for possível, uma boa ideia é adicionar, ainda, um pequeno item de decoração no ambiente, como um tapete ou um quadro do seu gosto.

Agora que você entendeu um pouco mais sobre reforma de imóvel alugado, deve estar animado para dar outra cara para sua casa ou apartamento, não é mesmo? Se você gostou das dicas ou ficou com alguma dúvida, deixe um comentário! Quem sabe não respondemos sua pergunta no próximo post?